no Extremo Oriente ...à descoberta de um novo mundo
Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007
Macau e Hong Kong finally
A viagem

Fui à ex-colónia: Macau. Finalmente! Estava a ver que dizia adeus à China sem conhecer um dos locais mais emblemáticos da expansão portuguesa por terras do Oriente. O clima é quente, comparando com os poucos graus que deixei em Pequim e que encontrei quando três horas e tal depois aterrei no gelo branco no regresso.

Fui via Zuhai , bilhete mais barato. A principal preocupação era chegar a horas de passar a fronteira que fecha à meia noite. Cheguei, com sono, cansada e sem paciência para estar a discutir com os taxistas o preço do táxi, mas não havia nada a fazer porque até os táxis legais estavam numa de negociar preços. Aceitei a oferta de um que não era táxi . Um risco é verdade, mas estamos na China e isto sem aventura não vale. O carro era preto, com os vidros também escuros devido à película autocolante manhosa que eles põem. Os meus telefones não estavam a captar roaming , portanto nada de conseguir ligar nem para a Marisa, nem para a Raquel. Lindo! Simulei uma chamada, falei em inglês. Depois, com pensamento positivo, lá comecei a ter um diálogo com o rapaz que até era bastante simpático, em chinês...foi uma conversa interessante, ele ria-se, eu ria-me, metade da conversa perdia-se entre os Ting Bu Dong (não percebo). Garantiu-me que estaríamos em Zuhai às 11 e meia da noite. Assim foi. Paguei-lhe dentro do carro e meio às escondidas por causa da polícia. Peguei na tralha, e lá fui para a fila. Montes de gente, entrega passaporte, preenche papel, carimba passaporte, enfim, meia hora depois estava do lado de lá.

Impressionante

O que impressiona: impressiona as palavras em português escritas por todos os lados, impressiona os nomes das ruas em português, em azulejo azul e branco como na nossa terra, os letreiros dos autocarros e as instruções e avisos lá dentro também na nossa língua.

Impressiona a Pharmácia e a Santa Casa da Misericórdia, as ruas que sobem, de calçada portuguesa e canteiros com flores. Impressiona o cheiro que se mistura entre o que parece português e o chinês a que me habituei em Pequim. Na realidade parecia uma vila portuguesa habitada por chineses. A noite de sexta foi longa, porque acabou às 7 da manhã de sábado. Havia muito para conversar, há um ano e meio que não via a Marisa e há muitos mais que não falávamos, assim...foi muito bom!


Turismo

Sábado de tarde conheci Macau, senti aquilo que um dia foi português e que nos faz lembrar casa a cada esquina. Fez-se noite, depressa. Quando estamos bem o tempo passa muito depressa. Ofusca a vista as cores dos néones dos mega casinos, o brilho, a gente, o jogo. É verdadeiramente impressionante a quantidade de casinos que há em Macau e é igualmente impressionante a quantidade de gente que por lá circula, só para jogar. Jantar no restaurante português onde não faltou o bacalhau, a salada de polvo e o pão a saber a pão...já não comia pão a saber a pão há tanto tempo...
Deitar cedo, que no dia seguinte havia maratona em Hong Kong.
Ainda estive a ver na net os transportes e as paragens de metro para que o percurso ficasse simplificado.

Uma hora de barco depois lá estava eu, sozinha em Hong Kong. Visitei o que deu para visitar, tirei fotos e ainda consegui caminhar um pouco naquelas ruas estreitas ladeadas de arranha céus gigantes, de lojas carismas e também gigantes. A moda e o luxo ditam as regras. Não parece que estamos na China. Percebe-se bem a cultura british e não é só porque os autocarros têm dois andares e se circula pela esquerda.

Arrefeceu durante a espera no Passeio das Estrelas para ver o espectáculo das 20h00, quando, ao som de música, as luzes dos arranha céus dançam alegremente nos céus em bailado sincronizado. O tempo foi pouco! Valerá a pena voltar. Não fiz compras, mas os olhos deliciaram-se com a quantidade de lojas de coisas que há.
Hong Kong impressiona por razões diferentes.

As fotos estarão mais daqui a bocado, entretanto conto-vos as histórias.
Vou jantar, às 6 da tarde, um jantar chinês, para me despedir....a partir de hoje a contagem está mais do que a decrescer e os jantares e almoços de despedidas estão já todos marcados.


sinto-me: A caminhar rapidamente

disse anliang às 08:29
link do post | Digam o que quiserem | favorito
|

Quem sou eu?
Roteiro de Viagem

Até Breve...

2008

The very last countdown

Cores

Macau e Hong Kong finally

Confissões

Papéis

Compras e mais compras

Home alone, almost China ...

Entendimentos a Oriente g...

Countdown...

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Área da Cusquice
Que horas são aqui?
E que horas são aí?
Os Cuscos
   
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


blogs SAPO
subscrever feeds