no Extremo Oriente ...à descoberta de um novo mundo
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007
Rescaldos
Bem, dez meses passados na China, na gigantesca Pequim, onde tudo tem sempre um significado maior, cá estou a tentar alimentar um blog que é visitado por vós sempre à espera de novidades. Claro que a esta altura já ninguém espera novidades latentes nas saídas nocturnas ou nos passeios turísticos a que vos habituei ao longo desta jornada, porque para mim, assim como vós, que me acompanham em letras, há coisas que passaram a ser naturais, frequentes e deixaram de ser estranhas.

É interessante e curioso como a leitura  pode alimentar mentes humanas e fazê-las viajar no mais recôndito dos mundos, acho que foi por isso que sempre gostei muito de ler, porque me fazia viajar e imaginar coisas que não vi nem senti. As letras e as palavras têm esse dom, e potenciam-se a elas mesmas quando conjugadas, dando azo à nossa própria imaginação que não pode nem deve prender-se ao que de imediato se nos aparece pela frente.

As aventuras são isso mesmo, razão pela qual devemos sempre estar à espera de mutações de estados de espírito...e aqui estou eu, num país que não é o meu mas que com o passar dos dias, dos meses, comecei a sentir como se fosse, porque conseguimos criar teias de interesses e de relações que nos cercam como em nossa casa. Porque quando saímos encontramos conhecidos, encontramos pessoas que connosco se cruzam no supermercado, no café, na discoteca, que estão em missões distintas mas que vivem Pequim da mesma forma, intensa, quente e voraz.

E é aqui que reside a vontade de por cá ficar mais, para aprender, para conviver, no fundo para viver, isto que são mutações diárias ainda que cheias de constrangimentos e mitos que descobrimos a pouco e pouco. Mas quando as rotinas se instalam na nossa vida, começamos por perceber que a nossa casa é sempre onde nos sentimos bem, onde conseguimos enxergar passos em frente como quando da primeira vez em que pisámos o terreno de um mundo diferente.

É isto que se sente em Pequim e por Pequim, uma familiaridade que desde muito cedo comecei a descobrir  e que antecipadamente me faz pensar que saudades que vou ter deste lugar, destas pessoas, da fragilidade de cada momento e de cada sensação, e penso, que quando muitas vezes estendemos a mão ao desconhecido com medo de avançar, podemos estar a estender a mão para um mundo que inexplicavelmente podemos e queremos tornar nosso.

E é este o rescaldo que posso fazer por enquanto, a um mês de voltar a um mundo que sempre conheci. Não posso nem me devo demorar mais em contemplações esquizofrénicas de saudosismos, porque os lugares estarão sempre lá, onde estão e devem estar, depois as pessoas que passam por eles é que têm que decidir se querem ou não embrenhar-se um pouco mais.

Sem esquadro e régua, porque a vida não pode nunca ser desenhada desta forma!

sinto-me: Like a Saylor

disse anliang às 07:43
link do post | Digam o que quiserem | favorito
|

Quem sou eu?
Roteiro de Viagem

Até Breve...

2008

The very last countdown

Cores

Macau e Hong Kong finally

Confissões

Papéis

Compras e mais compras

Home alone, almost China ...

Entendimentos a Oriente g...

Countdown...

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Área da Cusquice
Que horas são aqui?
E que horas são aí?
Os Cuscos
   
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


blogs SAPO
subscrever feeds