no Extremo Oriente ...à descoberta de um novo mundo
Domingo, 20 de Maio de 2007
Rascunhos
Volta a acalmia dos dias e noites passados em Pequim, lar desde há 4 meses, com perspectivas de serem ainda mais do que o dobro a faltarem. Desta vez digo isto em tom de missão, de missão a cumprir, porque isto de ter a vida a prazo atravessa-nos o corpo e a alma de inconstância , de pensamentos que não podem passar disso porque estamos a meio de uma experiência pela qual esperámos mais do que o tempo que era preciso, e já agora que a alcançámos, que a levemos de tom e ritmo de vitória até ao final.

E o que se espera desta aventura afinal?
Bem, muitas coisas poderia dizer sobre esta questão, muitas outras poderia sentir, porque toda a gente sabe que do sentir ao falar vai uma grande distância, primeiro porque sim, depois porque simplesmente se quer e depois porque assim tem que ser. Palavras que aparentemente nada querem dizer, mas que para mim querem dizer tudo. É a vitória da proactividade sobre o marasmo.

Faltam-me ver uns jardins! Sobre os templos, nada mais tenho a dizer porque já percorri praticamente os que havia para percorrer, já senti a preces dos outros, cheirei o incenso que nos entra narinas adentro sem pedir licença. Sobre os monumentos, também posso dizer que praticamente já os visitei a todos: falta-me a Grande Muralha da China e o Mausoléu de Mao . A primeira porque na altura que era suposto ter realizado esta visita, algo de inesperado aconteceu e não fui, o segundo porque se encontra fechado para obras, com vista aos Jogos Olímpicos do ano que vem.

Será que já conheço Pequim? Bem, pelo menos algumas partes sim. A parte histórica de Pequim, os jardins e os monumentos, a noite de Pequim, a chinesa e a mais ocidental. Não é assim muito diferente dos outros lugares do mundo, tem a sua própria história, tem as suas gentes, é uma boa experiência para se viver aos 27 anos. Parece-me que tenho que voltar a pegar no guia turístico que comprei, e ao qual, confesso, tenho dado pouco uso, e pesquisar que mais há para ver nesta cidade de não sei quantos milhões de habitantes, 14, 15, já nem sei, muitos! Sim, porque perdida nos Hutongs também já andei. O assédio dos vendedores de rua, das crianças pobres que pedem dinheiro em noite escura e animada nas ruas de Sanlitun , que para efeitos de táxi se deve pronunciar Sanlitur , já superei, e já aprendi a dizer nos mercados que não sou turista, que vivo em Beijing e que por isso nada de me tentar enganar com os preços das coisas.

Já me esqueci do que é entrar numa loja, ver os preços marcados e decidir se quero ou não comprar o artigo. Nos últimos tempos tive que me tornar uma negociadora se quiser comprar roupa e não pagar 3 balúrdios e meio por ela. Porque aqui é assim. Tem que se negociar, como em Marrocos ouvi dizer. Mas cansa! Bolas, que isto de ter que sair de casa com a predisposição para estar a regatear até cuecas e soutiens nem sempre é fácil. Ao início, é novidade, é divertido , depois fica uma obrigação! Mas enfim, são culturas e temos que aceitá-las e que vivê-las o mais que se consiga. Pois então: Regateie-se !

Bem, é Domingo. Estou acordada desde as 9 da manhã porque vieram cá arranjar o ar condicionado. O resto dorme. Estou com sono e com vontade de descansar mais um pouco na minha cama pequinesa, mas parece-me que para já vai ser impossível. Os homens entram, saem, levam peças, enfim, um corrupio de arranjos. Logo à noite tenho que me deitar cedo!

sinto-me: Com sono

disse anliang às 03:12
link do post | Digam o que quiserem | favorito
|

3 comentários:
De Jorge Pires a 7 de Junho de 2007 às 22:37
Regatear?
No norte de África, pelo menos na Tunísia, tem que se regatear nos mercados.
É de facto cansativo mas os turistas acabam por se habituar tanto a isso que as lojas ditas normais acabam por ter de ter um aviso à entrada “Preço fixo” para evitar regateios!


De anliang a 8 de Junho de 2007 às 09:18
Sim, por cá também já se vai vendo esse tipo de placas em alguns sítios. Para turista é giro, mas teres que fazer isso quase sempre que queres comprar coisas...não é fácil!


De Jorge Pires a 8 de Junho de 2007 às 20:08
Integrado em excursões, o pessoal ao voltar ao autocarro, após dispersões individuais pelas medinas (mercados), parecia que fazia um concurso - disparos de perguntas - para ver quem tinha conseguido o preço mais baixo em artigo semelhante!!
Mas de facto quando não se está com vontade para regateios a coisa torna-se aborrecida...


Comentar post

Quem sou eu?
Roteiro de Viagem

Até Breve...

2008

The very last countdown

Cores

Macau e Hong Kong finally

Confissões

Papéis

Compras e mais compras

Home alone, almost China ...

Entendimentos a Oriente g...

Countdown...

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Área da Cusquice
Que horas são aqui?
E que horas são aí?
Os Cuscos
   
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


blogs SAPO
subscrever feeds